terça-feira, 20 de abril de 2010

oxiurus

Infestação por oxiúros
A infestação por oxiúros é uma doença durante a qual o verme Enterobius vermicularis cresce e se reproduz dentro do intestino.

O parasita mais frequente entre as crianças que vivem em climas temperados é o oxiúro e pelo menos 20 % de todas as crianças e 90 % das crianças que frequentam infantários ou outras instituições têm-no.

Causas

A infestação normalmente ocorre em duas fases. Os ovos, primeiro, são transferidos da área que rodeia o ânus (perianal) para as peças de vestuário, para a roupa da cama ou para os brinquedos. Depois, são transferidos, muitas vezes pelos dedos, para boca de outra criança, que os engole.

Os ovos também podem ser inalados procedentes do ar e depois engolidos. As crianças podem tornar a ser infectadas com a passagem dos ovos da zona circundante do ânus para a boca.

Os oxiúros maturam na parte inferior do intestino entre 2 e 6 semanas. O verme fêmea move-se para a área perianal, normalmente à noite, para depositar os ovos dentro das pregas cutâneas do ânus da criança.

Os ovos são depositados junto a uma substância pegajosa e gelatinosa. Esta substância e os movimentos do oxiúro mãe provocam a intensa comichão (prurido) local.

Os ovos podem sobreviver fora do corpo até 3 semanas à temperatura ambiente normal. No entanto, no ânus podem abrir-se rapidamente e as jovens lombrigas podem retroceder novamente para o recto e chegar ao intestino inferior.

Sintomas

A maioria das crianças com oxiúros não tem sintomas. Algumas crianças, no entanto, têm comichão à volta do ânus e coçam-se continuamente. A pele que rodeia o ânus pode estar irritada. Nas meninas, a infecção por oxiúros pode provocar comichão vaginal e irritação.

A dor abdominal, a insónia, as convulsões e outras consequências não comprovadas têm sido erradamente atribuídas à infecção por oxiúros. Em casos excepcionais, pode ser provocada apendicite devido ao facto de os vermes bloquearem o apêndice.

Diagnóstico

O diagnóstico da infecção por oxiúros faz-se a partir da identificação dos vermes. O melhor resultado obtém-se ao examinar o ânus da criança ao fim de uma ou duas horas a coçar-se durante a noite. Os vermes são brancos e têm pêlos finos, mas movem-se e são visíveis à vista desarmada.

Os ovos ou os vermes podem ser recolhidos batendo suavemente sobre as pregas cutâneas que rodeiam o ânus com o lado adesivo de uma fita transparente de manhã cedo, antes de a criança acordar. Depois dobra-se a fita de forma que a amostra fique dentro e leva-se ao médico. Os ovos e os vermes que se encontrarem colados à fita podem ser identificados ao microscópio.

Prognóstico e tratamento

Normalmente, não se requer tratamento. O parasita não costuma provocar dano e é muito frequente em crianças. No entanto, a maioria dos pais preocupa-se muito com a ideia de uma infecção por vermes e geralmente querem livrar os seus filhos dos mesmos. Uma única dose de mebendazola ou pirantel cura aproximadamente 90 % dos casos.

Todos os membros da família devem tomar o medicamento porque a reinfecção pode passar de um membro da família para outro. Pode-se aliviar a comichão com cremes ou unguentos aplicando-os directamente sobre a área perianal duas ou três vezes por dia.

Apesar da terapia com medicamentos, a reinfecção é frequente depois do tratamento porque continuam a ser excretados ovos pelas fezes até uma semana depois do tratamento. As peças de vestuário, a roupa da cama e os brinquedos devem ser frequentemente lavados à máquina para eliminar qualquer ovo que contenham.


Fonte: Manual Merck

2 comentários:

  1. Achei muito interessante,é bem informado e "completo".
    Mas poderiam dizer sobre:"Por que o oxiúro provoca sono intranquilo nas crianças".

    ResponderEliminar